Artigos

De acordo com um Comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros em Portugal, o processamento de todos os vistos nacionais foi retomado hoje, dia 5 de Agosto.

Nas últimas semanas assistiu-se a uma redução de processamento de vistos nacionais nos Consulados Portugueses sitos nos mais variados países, limitando-se a sua emissão a tipos específicos de vistos, como por exemplo, os vistos para trabalhadores altamente qualificados.

No entanto, a partir de hoje, deixam de existir essas limitações, passando a ser possível que um estrangeiro possa obter um visto para Portugal, independentemente do seu tipo.

Note-se, no entanto, que a suspensão do processamento de vistos Schengen mantém-se até ao dia 15 de Agosto de 2020, exceptuando as situações permitidas pelo Despacho n.º 7595-A/2020.

Fonte: MNE

Os nómadas digitais são uma comunidade de indivíduos que conseguem desenvolver a sua actividade profissional em qualquer parte do Mundo, que habitualmente utilizam o seu computador como principal ferramenta de trabalho e que aproveitam esse facto para migrarem para diferentes países com alguma regularidade.

Os nómadas digitais adoptam normalmente um estilo de vida itinerante, passam temporadas numa cidade, e facilmente mudam para outra, ou até mesmo para outro país. Este modo de vida permite um equilíbrio entre as viagens e o trabalho. Não sendo necessariamente turistas, os nómadas digitais são importantes para dinamização da economia, da cultura e para a globalização dos sítios por onde passam.

Também os nómadas digitais veem diversas vantagens em Portugal quando chega o momento de escolher um destino. Para além de estar altamente preparado para receber estas comunidades, Portugal é altamente procurado pelo seu clima, pela longa faixa costeira, pela segurança (sendo um dos países mais seguros do mundo, inspira confiança a que para cá queira vir viver, sozinho ou acompanhado), pela cultura e pela gastronomia.

Por criarem raízes nos países por onde passam, há factores que influenciam, em muito, as decisões dos nómadas digitais: como, por exemplo, a gastronomia, a cultura amigável e tolerante e o modo de vida descontraído. Também por esta razão, Portugal ganha uma séria vantagem.

Ao vir trabalhar para Portugal por um período superior a um ano, os nómadas digitais necessitam de adquirir um visto de residência.

Para poder entrar e permanecer em Portugal, os chamados Nómadas Digitais recorrem, normalmente, a um de dois tipos de Visto: o Visto D2 (empreendedores, freelancers, trabalhadores independentes) e o Visto D7 (titulares de rendimentos).

Ambos os vistos de residência darão a possibilidade aos Requerentes de viajarem para Portugal, aqui solicitarem (num prazo de 4 meses) uma autorização de residência e receberem o consequente cartão de residência. Este último dará a possibilidade aos Requerentes de:

  • Circularem livremente como turistas em todo Espaço Schengen Ao reagrupamento familiar;
  • Ao acesso à educação, ensino e formação profissional de qualidade;
  • Ao exercício de uma actividade profissional subordinada ou independente;
  • A usufruir de um sistema de saúde qualificado e acessível;
  • Ao acesso ao direito e aos tribunais; e
  • À nacionalidade portuguesa no final dos cinco anos.

Para os nómadas digitais provenientes de países da União Europeia/ Espaço Económico Europeu/ Andorra / Suíça, deverão, ao invés, solicitar o certificado de residência para aqui poderem viver legalmente.

vistos d2

O Visto D2 foi criado com o objetivo de atrair empreendedores estrangeiros que queiram investir em Portugal, criando pequenas e médias empresas com relevância económica, tecnológica ou cultural para o país.

Ler mais

vistos

A União Europeia (UE) adoptou na última quinta-feira (6 de junho) novas regras que facilitam a concessão de vistos para entrar na Europa.

As novas regras permitem que os pedidos sejam feitos por via eletrónica e entre 6 meses e 15 dias antes da viagem, passando a ser permitida a emissão de visto de entradas múltiplas a viajantes regulares com um historial de vistos favorável, por um período que aumenta gradualmente de um para cinco anos.

A Comissão Europeia avaliará também se os países que recebem os novos cidadãos estão a colaborar. Se não o estiverem a fazer, poderão ser adoptadas medidas restritivas específicas relacionadas com o tratamento e, em última análise, com os custos dos vistos. Por outro lado, se estes países estiverem a cumprir as suas funções, a Comissão pode propor que o Conselho adopte uma decisão de execução que preveja uma redução dos seus custos, uma redução do tempo de decisão sobre os pedidos ou uma prorrogação do período de validade dos vistos de entradas múltiplas.

Apesar do processo ser mais simples agora, também é mais caro. Os custos dos vistos são aumentados para 80€ e avaliados de 3 em 3 anos.

Fonte: Expresso da Ilhas
cidadania europeia

A revista Forbes, recentemente considerou Portugal um dos 7 melhores países europeus para um cidadão estrangeiro adquirir residência e cidadania europeia. Esta revista apresenta as vantagens que Portugal oferece aos Americanos interessados em estabelecer a sua residência na Europa ou obter uma nacionalidade europeia.

Ler mais